segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Engenharia

O velho que há em mim
É uma criança
De pensamentos juvenis
Que enredastes
pois quando partistes
me partisse
E não levastes só tu
Mas fragmentos meus volumosos levasse também
e eu fiquei
no centro da festa :
junto com as latas, poeiras, sujo, lixo
dançando sem música
uma canção evocada pela espinha dorsal
na distância de um beijo
sem êxito
na hora máxima
da T R A N S U B S T A N C I AÇÃO:
Amém em espirais.
E no final túnica.

Um comentário:

Ada disse...

Vixe, deixei um comentário aqui ontem, cadê?